Segundo a Previdência Social, a construção de edificações é o segundo setor com maior número em acidentes do trabalho no país, perdendo apenas para a área de transporte rodoviário de carga.  Para mudar este cenário, o caminho mais curto é a prevenção por meio de atitudes seguras e respeito às normas de segurança.

Como parte deste processo, a ThyssenKrupp Elevadores promoveu no último dia 25 de agosto, palestra no Sinduscon Goiás sobre Segurança no processo de pré-instalação e montagem dos elevadores.

Destinada a engenheiros, técnicos de segurança e mestres de obra, a apresentação será proferida por Carlos Alberto Antunes, Gerente Nacional de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional da ThyssenKrupp Elevadores.  Com mais de 25 anos de experiência na área de segurança do trabalho, o engenheiro abordou durante a palestra temas como: principais riscos de acidentes gerados pelas obras durante a montagem dos elevadores; tópicos da atual norma para a instalação de elevadores – a NM Mercosur 207/99; sistemas e equipamentos contra quedas e para resgate e processos de montagem e equipamentos.

Sobe e desce seguro

Os procedimentos de segurança para a instalação dos elevadores são os mesmos para qualquer tipo de instalação, visto que os processos de trabalho são padronizados. Porém, quanto mais alto for o edifício e mais veloz o elevador, o grau de complexidade aumenta. Além disso,  quanto maior o empreendimento, normalmente, maior o número de trabalhadores atuando e, consequentemente, aumenta o risco em função do volume de movimentações, sejam de materiais ou pessoas dentro do canteiro de obras.

Para ampliar os níveis de segurança das equipes de instalação de elevadores, a ThyssenKrupp Elevadores realiza um trabalho junto às construtoras. O objetivo é garantir o uso de equipamentos de proteção coletiva –  EPC’s em áreas críticas da obra.

Um deles é o equipamento de proteção de pavimento que garante o fechamento total do vão da porta do elevador durante a obra. “Temos relatos de queda de materiais que passam pelo vão com riscos sérios para a vida dos trabalhadores”, afirma Carlos Antunes.

O uso de EPC’s está previsto em Norma do Ministério do Trabalho, mas sua aplicação e uso efetivo dependem de outros fatores, como a conscientização dos principais atores envolvidos no processo, desde a construtora, passando pelos fornecedores até os trabalhadores envolvidos na obra.

 

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>